ABORDAGEM MULTIVARIADA PARA TEORES DE ÁCIDOS GRAXOS EM SEMENTES DE LINHAGENS AVANÇADAS PRECOCES DE SOJA

Autores

  • Jackeline Garcia Delafiori Makino Tecnóloga em Biocombustíveis, Fatec Jaboticabal
  • Sandra Helena Unêda-Trevisoli Eng. Agrônoma. Dra. Diretora, Fatec Jaboticabal.
  • Antônio Sergio Ferraudo Eng. Agrônomo. Dr. Professor Assistente Doutor, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp Jaboticabal.
  • Aline Cristina Gonçales Rocha Tecnóloga em Biocombustíveis, Fatec Jaboticabal.
  • João Carlos Campanharo Químico. Dr. Assistente de Suporte Acadêmico II, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp Jaboticabal.
  • Antonio Orlando Di Mauro Eng. Agrônomo. Dr. Professor Titular, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp Jaboticabal.

Palavras-chave:

Glycine max, ácidos graxos totais, biodiesel, melhoramento genético

Resumo

A utilização do óleo de soja para fins nutricionais e industriais é definida pela composição dos ácidos graxos presentes nas sementes, pois a presença excessiva de determinados ácidos graxos afeta a estabilidade oxidativa podendo formar compostos secundários que alteram o sabor do produto. O objetivo deste trabalho consistiu em avaliar os percentuais dos ácidos graxos totais presentes em 28 genótipos precoces de soja de interesse econômico; através da análise estatística pretendeu-se identificar prováveis genótipos que possuem maiores teores dos ácidos graxos mais importantes para a produção de óleo vegetal visando à alimentação e também ao biodiesel. Através da análise multivariada fatorial identificou-se que as linhagens 19 (JAB0003) e 23 (JAB0001) tenderam a ter maior quantidade de ácido oleico, indicando que são matérias-primas importantes para a produção de biodiesel e óleo vegetal voltado para alimentação; isso se deve ao fato do ácido oleico ser 10 vezes mais estável que o ácido linoleico e 20 vezes mais estável que o ácido linolênico. A linhagem 1 (JAB0004) é também indicada, porém pelo fato de ter apresentado maior quantidade de ácido palmítico, sendo este, por ser saturado, um importante ácido graxo para a produção de óleo e biodiesel. No entanto, o genótipo 56 (JAB0002) não é indicado para essa finalidade, pois tendeu a apresentar as mais elevadas quantidades de ácido linoleico e linolênico. Portanto, através deste estudo, foi possível a identificação e seleção de genótipos com destaque para os teores de ácidos graxos de interesse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. A; KIIHL, R. A. S. Melhoramento da soja no Brasil: desafios e perspectivas.

In: GIL, M. S. C. Soja: Tecnologia da Produção. Piracicaba: USP-ESALQ, 1998. p.40-54.

BLIGH, E. G; DYER, W. J. A rapid method of total lipid extraction and purificacion.

Canadian Journal Biochemistry, v. 37, p. 911, 1959.

CONAB – CONSELHO NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra

brasileira de grãos 2009/2010: décimo primeiro levantamento. 2010. Disponível em:

<http://www.conab.gov.br/conab/Main.php?MagID=3&MagNo=74>. Acesso em: 20 ago.

COSTA, F. R. S. Herança quali-quantitativa e marcadores moleculares para seleção

assistida de genótipos de soja resistentes à ferrugem asiática. 2008. 87f. Tese (Doutorado

em Genética e Melhoramento de Plantas) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias,

Universidade Estadual Paulista , Jaboticabal, 2008.

COSTA, F. R. S. Parâmetros genéticos em gerações precoces de soja com fonte de

resistência ao nematóide do cisto (Raça 3). 2004. 84f. Tese (Mestrado em Genética e

Melhoramento de Plantas) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade

Estadual Paulista, Jaboticabal, 2004.

DALLA’AGNOL, A. Por que fazemos biodiesel de soja? 2007. Disponível em:

<http://www.biodieselbr.com/colunistas/convidado/porque-fazemos-biodiesel-de-soja.htm>.

Acesso em: 26 ago. 2010.

DUTTON, H. J. et al. The flavor problem of soybean oil: part 8: linolenic acid. The Journal

of the American oil Chemist’s Society, Illinois, v. 28, n.3, p. 115 – 118, 1951. DOI:

1007/BF02612206. Disponível em:

<http://www.springerlink.com/content/603107507h22010u/>. Acesso em: 18 set. 2010.

EMBRAPA. 2009. Disponível em: . Acesso em: 2009

FEHR, W.R.; CAVINESS, C.E. Stages of soybean development. Ames: Iowa State

University. p.11. 1977. (Special Report 80).

LAZZARI, M. Utilização de biodiesel na frota de veículos municipais, de motor diesel,

que circulam nos municípios lindeiros. 2004. 60f. Curitiba: CEFET-PR, 2004. Projeto

(Concurso de 2004 da Itaipu Binacional). Disponível

em:<http://proficiens.com/artigo13.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2010.

LIU, H.; WHITE, P. J. Oxidative stability of soybean oils with altered fatty acid composition.

In: MATTA, L. B. Melhoramento genético da soja (Glycine max (L.) Merrill) para baixo

teor de ácido linolênico. 2008. 71f. Tese (Magister Scientiae em Fitotecnia) – Universidade

Federal de Viçosa, Viçosa, 2008. Disponível em:

http://www.tede.ufv.br/tedesimplificado/tde_arquivos/18/TDE-2009-07-02T051739Z-

/Publico/texto%20completo.pdf>. Acesso em: 15 set. 2010.

SANTOS, S. P; CORREIA, M. L. A. Programa nacional de produção e uso do biodiesel e

o desenvolvimento sustentável. 2007. 21f. Fortaleza: UNIFOR, 2007. In: ENCONTRO DA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ECOLÓGICA, 7. Disponível em:

http://www.ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/vii_en/mesa2/trabalhos/programa_

nacional_de_producao.pdf>. Acesso em: 18 set. 2010.

SILVA, M. J. et al. Esterificação de ácidos graxos em fase líquida catalisada pelo

heteropoliácido H3PW12040 em sistemas homogêneos. Belo Horizonte: Universidade

Federal de Minas Gerais, ICEx, Departamento de Química, 2003. p 214-218. Disponível

em:<http://www.biodiesel.gov.br/docs/congressso2006/producao/Graxos22.pdf>. Acesso em:

ago. 2010.

SILVEIRA, G. D. Estimativas de parâmetros genéticos visando seleção de genótipos

segregantes de soja. 2007. 45f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de plantas) -

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal,

WERHMANN, M. E. S. F; VIANNA, J. N. S; DUARTE, L. M. G. Biodiesel de soja: política

energética, contribuição das oleaginosas e sustentabilidade. Brasília: CDS/UnB, 2004. 21p.

Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2010.

Publicado

30/06/2011

Como Citar

MAKINO, J. G. D.; UNÊDA-TREVISOLI, S. H.; FERRAUDO, A. S.; ROCHA, A. C. G.; CAMPANHARO, J. C.; DI MAURO, A. O. ABORDAGEM MULTIVARIADA PARA TEORES DE ÁCIDOS GRAXOS EM SEMENTES DE LINHAGENS AVANÇADAS PRECOCES DE SOJA. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 2, n. 1, 2011. Disponível em: https://citec.fatecjab.edu.br/index.php/citec/article/view/66. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias