ESTUDO DO DESCARTE DE MEDICAMENTOS E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA-SP

Autores

  • Joice do Carmo Gasparini Graduanda do curso de Tecnologia em Biocombustíveis. FATEC-JB.
  • André Renah Gasparini Bacharel em Matemática. FFCLRP -USP.
  • Mariana Carina Frigieri Doutora em Biotecnologia IQ-UNESP. Professora Assistente FATEC-JB.

Palavras-chave:

fármacos, ambiente, descartar, resíduos, lixo

Resumo

O uso de medicamentos é essencial para a manutenção da saúde da população, porém a facilidade de aquisição e o incentivo da mídia geram um uso excessivo e, com isso, o acúmulo nas residências. Muitos desses medicamentos são utilizados novamente sem considerar prazo de validade ou são descartados de maneira inadequada, o que gera um problema ambiental e de saúde pública. O presente trabalho avaliou o acúmulo de medicamentos, o seu uso após o vencimento e a maneira de descarte dos mesmos. Avaliou-se também se as pessoas possuem consciência do impacto ambiental causado pelo descarte inadequado e se já receberam alguma informação sobre o descarte correto. Foi possível avaliar que 92,75% dos entrevistados possuem medicamentos em casa. As sobras de medicamentos são descartadas no lixo por 30,45% dos entrevistados, sendo 88,18% no lixo seco e 7,55% no lixo úmido. 65,85% relatam ter medicamentos sem a bula. 17,7% não observam a aparência do medicamento antes de consumir. 20,55% possuem medicamentos vencidos em casa e 7,2% os utilizam novamente. 61,35% descartam os medicamentos vencidos no lixo. 80,4% acham que essa atitude causa problemas ambientais. 37,19% julgam-se culpados por isso, e 35,01% acreditam que a responsabilidade é do governo. 84,55% relatam nunca terem recebido nenhuma informação sobre esse assunto. Seria importante a implantação de projetos municipais que visem orientar a população quanto ao uso e ao descarte correto dos medicamentos. Outro ponto a considerar seria a definição de locais para a coleta e, consequentemente, o descarte adequado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em:

<http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/glossario/glossario_p.htm>. Acesso em: 17 dez.

BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Fármacos no Meio Ambiente. Química Nova, Rio de Janeiro,

Vol. 26, No. 4, Jul. 2003.

BUENO, C. S.; WEBER, D.; OLIVEIRA, K. R. Farmácia caseira e descarte de

medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí – RS. Rev. Ciências Farm.

Básica Apl., Rio Grande do Sul, 30(2):75-82, out. 2009.

CENSO. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2010.

CONAMA – Resolução nº 5 de 5 de Agosto de 1993. Define as normas mínimas para

tratamento de resíduos sólidos oriundos de serviços de saúde, portos, aeroportos e terminais

rodoviários e ferroviários. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília (DF), nº

, 31 de agosto de 1993.

FANHANI, H. R.; CORREA, M. I.; LOURENÇO, E. B.; FERNANDES, E. D.; BILLÓ, V.

L.; LORENSON, L.; SPIGUEL, P. K. S.; GALORO, J. L. F.; TAKEMURA, O. S.;

ANDRADE, O. G. Avaliação domiciliar da utilização de medicamentos por moradores

do Jardim Tarumã, município de Umuarama – Pr: Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama,

v. 10, n. 3, p. 127-131, set./dez. 2006.

FERREIRA, W. A.; SILVA, M. E. S. T.; PAULA, A. C. C. F. F.; RESENDE, C. A. M. B.

Avaliação da farmácia caseira no município de Divinópolis – Mg por estudantes do

curso de farmácia da UNIFENAS: Infarma, v. 17, n. 7/9, 2005.

GONÇALVES, F. K.; FRANCO, Y. O. O descarte de Medicamentos Vencidos e os

Aspéctos Toxicológicos da Incineração. Saúde Rev., Piracicaba, 6(12): 59-63, 2004.

MELO, V.; NUNES, D. C. D.; KIM, F. J. K.; ALMEIDA, KAMIYA, V. M.; FURUKAWA,

J. K.; SATO, E. M.; MISSIMA, J; OLIVEIRA, P. G. Descarte de medicamentos vencidos por usuários residentes na cidade de São Paulo. São Paulo, 2010. Disponível em:

<http://www.oswaldocruz.br/download/artigos/saude20.pdf>. Acesso em: 17 dez. 2010.

SCHENKEL, E. P.; FERNANDES, L. C. & MENGUE, S. S. Como são Armazenados os

medicamentos nos domicílios. Acta Farmacêutica Banaerense, Rio Grande do Sul 24(2):

-70, 2005.

SEVERINO, A.J. Filosofia. São Paulo: Cortez, 1994.

SILVA, E. R. Problematizando o Descarte de Medicamentos Vencidos: para onde

destinar? Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz – Escola Politécnica de Saúde Joaquim

Venâncio, 2005. 45 p. Monografia - Curso técnico de nível médio em Vigilância Sanitária e

Saúde Ambiental, dez. 2005.

TOURINHO, F. S. V.; BUCARETCHI, F.; STEPHAN, C.; CORDEIRO, R. Home medicine

chests and their relationship with self-medication in children and adolescents. Jornal de

Pediatria, Rio de Janeiro, v. 84, n. 5, 2008.

VETTORAZZI, K. M.; VENAZZI, K. F. Responsabilidade socioambiental dos produtores

de medicamentos e farmácias sobre os resíduos sólidos de saúde: a logística reversa

como possibilidade de coleta e correta destinação. FAE-Centro Universitário, Cascavel-PR,

nov. 2008.

Publicado

30/06/2011

Como Citar

GASPARINI, J. do C.; GASPARINI, A. R.; FRIGIERI, M. C. ESTUDO DO DESCARTE DE MEDICAMENTOS E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA-SP. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 2, n. 1, 2011. Disponível em: https://citec.fatecjab.edu.br/index.php/citec/article/view/64. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias