POLIFENOLOXIDASE

uma enzima intrigante

Autores

  • Taciana Caroline Alvarenga Graduanda do curso de Tecnologia em Biocombustíveis. FATEC-JB. Bolsista FAPESP.
  • Hélio Francisco da Silva Neto Doutorando em Agronomia (Produção Vegetal), FCAV-UNESP. Bolsista CNPq.
  • Flávia Okushiro Ogassavara Engenheira Agrônoma, FCAV-UNESP. Auxiliar docente FATEC-JB.
  • Flávio Cese Arantes Doutorando em Genética e Melhoramento de Plantas, FCAV-UNESP. Bolsista CNPq.
  • Marcos Omir Marques Professor Doutor – Departamento de Tecnologia, FCAV-UNESP.
  • Mariana Carina Frigieri Doutora em Biotecnologia IQ-UNESP. Professora Assistente FATEC-JB.

Palavras-chave:

escurecimento enzimático, pós-colheita, quinonas, tirosinase, vegetais

Resumo

As transformações pós-colheita, dos produtos de origem vegetal, são as responsáveis pelos processos bioquímicos decorrentes do estresse ocasionado após a colheita que interferem na integridade do tecido vegetal. Durante o transporte e processamento dos vegetais podem ocorrer rupturas dos tecidos, promovendo transformações metabólicas, dentre as quais se destacam aquelas decorrentes da liberação de enzimas responsáveis pelo o escurecimento dos tecidos, estando, dessa forma, relacionado à redução da qualidade de alguns produtos de origem vegetal, quando chegam ao consumidor final. Uma das enzimas envolvidas com o escurecimento enzimático é a polifenoloxidase, que pertence ao grupo das oxirredutases. Essa enzima oxida difenóis, transformando-os em quinonas na presença do oxigênio molecular. Por outro lado, a ação dessa enzima pode se considerada benéfica na medida em que a mesma é responsável pela maior resistência ao ataque de patógenos, em geral, uma vez que as quinonas são altamente tóxicas, o que lhes permite reduzir a ação de microrganismos invasores. Assim, tendo em vista a existência de aspectos positivos e negativos, a referida enzima tem despertado interesse no meio científico. Sendo assim, esta revisão tem o intuito de abordar a atividade da enzima polifenoloxidase nos vegetais, visando esclarecer a sua ação, com efeitos opostos, constituindo-se num problema complexo do ponto de vista científico e tecnológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRIOS, G. N. Plant pathology. San Diego: Academic Press, 1997. 635p.

ALVARENGA, R. Palavra de médico. Disponível em:

<http://www.palavrademedico.kit.net/tema03.htm>. Acesso em: 09 fev. 2011.

ARAÚJO, J. M. A. Química de Alimentos. 2.ed. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa,

416p.

CAMPOS, A. D. ; SILVEIRA, E. M da L. Metodologia para determinação da peroxidase

e da polifenol oxidase em plantas. Pelotas: Embrapa, 2003. Comunicado Técnico, 87.

CARDOSO, C.O.N. ; GARRAWAY, M.O. Bioassay using phenolic compounds and

phytoalexins produced in bean plants infected with Fusarium solani f. phaseoli (Burk.) Snyd

& Hans. Summa Phytopathologica, v.3, p.103-116, 1977.

CHITARRA, M. I. F. ; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças. 2. ed. Lavras:

Universidade Federal de Lavras, 2005. p. 688.

ÉSPIN, J. C. et al. A continuous spectrophotometric method for determining the

monophenolase and diphenolase activities of apple polyphenol oxidase. Analytical

Biochemistry, v.231, p. 237-246, 1995.

FEILLET, P. ; AUTRAN, J. C. ; VERNIÉRE, C. I. Pasta brownness an assessment. Journal

of Cereal Science, v. 32, p. 215-233, 2000.

FATIBELLO-FILHO, O. ; VIEIRA, I. da C. Uso analítico de tecidos e de extratos brutos

vegetais como fonte enzimática. Química Nova, v. 25, n. 3, p.455-464, 2002.

KERBAUY, G. B. Fisiologia vegetal. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Kogan, 2008.

MAHANTA, P. K. et al. Changes of polyphenol oxidase and peroxidase activities and

pigment composition of some manufactured black tea (Camellia sinensis L.). American

Chemical Society, v. 41, p.272-276, 1993.

MENDONÇA, S. C. ; GUERRA, N. B. Métodos físicos e químicos empregados no controle

do escurecimento enzimático de vegetais. Boletim SBCTA, Campinas, v. 37, n. 2, p. 113-

, 2003.

NELSON, D. L. ; COX, M. M. Enzimas. In: ________. Lehninger: principios de

bioquimica. 4.ed. São Paulo: Sarvier, 2006. cap.6, p. 190-235.

RANI, K. U. et al. Distribution of enzymes in wheat flour Mill streams. Journal of Cereal

Science, v.34, p. 233-242, 2001.

TAIZ, L. ; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 848p.

TORTORA, G.J. ; FUNKE, B. R. ; CASE, C. L. Metabolismo microbiano. In: ________.

Microbiologia. 8.ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. cap. 5, p. 111-121.

YOSHIYAMA, M. ; ITO, Y. Decrease of adstringency of cacao beans by an enzymatic

treatment. Nippon Shokuhin Kagaku Kogaku Kaishi,. v.43, n.2, p. 124-129, 1996.

Publicado

20/12/2011

Como Citar

ALVARENGA, T. C.; DA SILVA NETO, H. F.; OGASSAVARA, F. O.; ARANTES, F. C.; MARQUES, M. O.; FRIGIERI, M. C. POLIFENOLOXIDASE: uma enzima intrigante. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 3, n. 1, 2011. Disponível em: https://citec.fatecjab.edu.br/index.php/citec/article/view/60. Acesso em: 2 dez. 2020.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias