ETANOL DE SEGUNDA GERAÇÃO: ESTUDO DE MATERIAIS LIGNOCELULÓSICOS E APLICAÇÕES DA LIGNINA

Autores

  • Joice Mariá Batista Alves Tecnóloga em Biocombustíveis. FATEC-JB.
  • Rita de Cássia Vieira Macri Bacharel em Química. UNIFEB –BARRETOS. Docente da FATEC - JB.

Palavras-chave:

Etanol lignocelulósico, lignina, pré-tratamento

Resumo

Hoje o mundo se preocupa em obter fontes energéticas renováveis para diminuir o uso do petróleo e seus derivados, tanto pela dependência de uma fonte não renovável quanto pelo ambiental. O consumo de etanol de primeira geração obtido da sacarose da cana-de-açúcar se tornou cada vez maior com o apoio do governo, com a criação do Próalcool nos anos 70, o surgimento dos veículos flex, primeiro com carros agora também com motos. A produção mundial de etanol é alta, mas devido a essa série de aumento no consumo deste combustível, se torna muito importante o aumento da produção. A busca por novas fontes energéticas fez a biomassa ganhar espaço, sendo utilizada diretamente para cogeração de energia na forma de queima como também na produção de novos combustíveis, como o etanol celulósico. Como todo processo visa a ausência de resíduos ou aproveitamento destes, no caso do etanol celulósico o principal resíduo obtido é a lignina. Estudos realizados abordam técnicas eficientes para remoção e produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Petróleo. p.111 – 118. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/atlas/pdf/07-Petroleo(2).pdf>. Acessado em 24 set. 2011.

CORTEZ, L. A. B.; LORA, E. E. S.; GÓMEZ, E. O. Biomassa para energia. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2009.

FAIRBANKS, M. Demanda internacional fica aquém do previsto e preços despencam. Revista Química e derivados .edição nº483. Março de 2009. Disponível em < http://www.quimica.com.br/revista/qd483/bio/bio03.html>. Acessado em 25 set. 2011

FERREIRA, C.F. Hidrólise enzimática no processo de geração e cogeração de energia. Trabalho de Graduação para a obtenção do título de Tecnólogo em Biocombustíveis. Fatec de Jaboticabal, 2011.

FIORAVANTI, C. O etanol que mobiliza o mundo. Politica de C & T – FAPESP. Ed. 187. Set. 2011.

HAMELINCK, C. N.; HOOIJDONK, G. V.; FAAIJ, A. P. C. Ethanol from lignocellulosic biomass: techno-economic performance in short-, middle- and long-term. Biomass and Bioenergy, n. 28 p. 384-410, 2005. Disponível em: <http://www.star-info/pdf/bdocs/transport/Bioethanol_Biomass.pdf.>. Acesso em: 26 set. 2011.

HERNÁNDEZ, J. A. LIGNINA ORGANOSOLV DE Eucalyptus dunnii MAIDEN, ALTERNATIVA PARA A SINTESE DE ADESIVOS DE POLIURETANO PARA MADEIRA. Tese apresentada ao curso de Pós Graduação em Engenharia Florestal do Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, como requisito para a obtenção do Titulo de “Doutor em Engenharia Florestal”, Área de Concentração de Tecnologia e Utilização de Produtos Florestais. Curitiba, Paraná, 2008.

KLOCK, U.; MUÑIZ, G. I. B.; HERNANDEZ, J. A.; ANDRADE, A. S. Química da madeira. Curitiba, 2005. Disponível em:< http://marioloureiro.net/ciencia/ biomass/quimicadamadeira.pdf>. Acesso em 29 set. 2011.

LEONOWICZ A, CHO NS, LUTEREK J, WILKOLAZKA A, WOJTAS-WASILEWSKA M, MATUSZEWSKA A, HOFRICHTER M, WESENBERG D, ROGALSKI J. Fungal laccase: Properties and activity on lignin. J. Basic Microbiol., 41:185-227. 2001.

MICHELLON, E.; SANTOS, A. A. L.; RODRIGUES, J. R. A. Breve descrição do proálcool e prespectivas futuras para o etanol produzido no Brasil. 2008. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/9/574.pdf>. Acessado em: 18 set. 2011.

MOSIER,; WYMAN, C.; DALE, B.; ELANDER, R.; LEE, Y.Y.; HOLTZAPPLE, M. LADISCH. Features of promising technologies for pretreatment of lignocellulosic biomass. Bioresource Technology. p. 673 – 686. 2005. Disponível em:< http://stl.bee. oregonstate.edu/courses/ethanol/restricted/MosierETAL2005.pdf> Acessado em 27 set. 2011.

PACHECO, T. F. Produção de etanol: Primeira ou Segunda Geração. Circular Técnica 04, p. 1 – 6. 2011.

SANDERSON, K. Lignocellulose A chewy problem. Nature, vol. 474, p. 12-14. 23 jun. 2011.

SAVAGE, D. LignoBoost: lignin from pulp mill black liquor. Results Pulp and Paper, n. 3, p.22-23, 2009.

SCHUCHARDT, U.; RIBEIRO, M. L.; GONÇALVES, A. R. A indústria petroquímica no próximo século: como substituir o petróleo como matéria-prima? Química Nova, vol. 24, nº 2, p.247-251. 2001.

SILVA, N. L.C. Produção de bioetanol de segunda geração a partir de biomassa residual da indústria de celulose. Dissertação apresentada Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos para a obtenção do Grau de Mestre em Ciências (M.Sc). Escola de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

VIEGAS, T. Competitividade internacional do etanol brasileiro: oportunidades e ameaças. Rio de Janeiro: Infopetro, Instituto de Economia: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

WILLATS, W.G.T; MCCARTNEY, L.; MACKIE, L. & KNOX, P. Pectin: cell biology and prospects for functional analysis. Plant molecular Biology 47:9-27. 2001.

Publicado

20/12/2013

Como Citar

ALVES, J. M. B.; MACRI, R. de C. V. ETANOL DE SEGUNDA GERAÇÃO: ESTUDO DE MATERIAIS LIGNOCELULÓSICOS E APLICAÇÕES DA LIGNINA. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 5, n. 1, 2013. Disponível em: https://citec.fatecjab.edu.br/index.php/citec/article/view/54. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias